Rodrigo Trespach e a história esquecida

Talvez você não saiba, mas um dos maiores sucessos editoriais em anos recentes no Brasil foi escrito por um gaúcho nascido e residente em Osório, Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Autor da série Histórias não (ou mal) contadas e publicado pela Harper Collins Brasil, o historiador, pesquisador e genealogista Rodrigo Trespach tem atraído a atenção da imprensa nacional com seus recortes inovadores sobre episódios ou períodos da história mundial. O reconhecimento do público, ele atribui à predileção pela linguagem pouco acadêmica utilizada em suas obras:

— Minha experiência com publicações em periódicos nacionais me oportunizou construir, ao longo dos anos, uma narrativa menos técnica e mais atraente para um público que não está na universidade — explica o autor de artigos publicados em jornais e revistas como Zero Hora, National Geographic Brasil, História Viva, História da Biblioteca Nacional, Aventuras na História, BBC History Brasil, entre outros. A série Histórias não (ou mal) contadas é uma extensão de uma perspectiva que ele já mantinha com seus trabalhos anteriores, conforme explica:

— Todos os meus livros anteriores tratavam de temas pouco explorados em sala de aula ou minimizados pela grande mídia. Sempre me dediquei a pesquisar personagens marginalizados. A coleção apenas ampliou essa ideia, apresentando temáticas diversas em grandes eventos históricos.

Um exemplo disso é o livro dedicado à escravidão, que trata não apenas dos escravos do século XIX, mas os de hoje, que, segundo o autor, são mais de 40 milhões. Ou, ainda, o título sobre a Segunda Guerra, que trata da participação das mulheres e da perseguição a outros grupos minoritários, como os homossexuais e os ciganos.

Trespach não esconde a natureza desafiadora de contar a história que não é contemplada pelos currículos escolares, numa época de profunda distorção das informações — como aquela que sustenta o nazismo como um fenômeno da esquerda e de que não houve golpe militar em 1964 no Brasil, mas uma revolução:

— Não é de hoje que isso ocorre, que grupos se apropriam de discursos para consolidar sua posição. As duas sangrentas guerras civis no Rio Grande do Sul, a de 1835-45 e a de 1893-95, até hoje são chamadas de “Revoluções” e estavam bem longe do real significado do termo. Cabe ao historiador — ou ao professor de história, em sala de aula — contextualizar, lembrar o que muitos querem esquecer, apagar ou distorcer. Isso só irá cessar — ou diminuir, já que as disputas ideológicas que propiciam essas distorções são perenes — quando tivermos educação de qualidade e uma população com melhor conhecimento de sua história, leitora e capaz de analisar as informações que recebe, de quem recebe e o por que as recebe de determinada forma. Creio que ainda teremos muito trabalho pela frente — diz.

Visite o site do autor.

Histórias não (ou mal) contadas: Primeira Guerra Mundial 1914-1918
240 pp
15,5 cm x 23 cm
978-85-95-0839-81
Harper Collins Brasil

Histórias não (ou mal) contadas: Escravidão, do ano 1000 ao século XXI
208 pp
15,5 cm X 23 cm
978-85-69-5141-90
Harper Collins Brasil

Histórias não (ou mal) contadas: Revoltas, golpes e revoluções no Brasil
256 pp.
15,5 cm 23 cm
978-85-69-5141-76
Harper Collins Brasil

Histórias não (ou mal) contadas: Segunda Guerra Mundial, 1939-1945
240 pp.
15,5 cm X 23 cm
978-85-95-0810-24
Harper Collins Brasil

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s