Artes & Ecos lança série com textos sobre psicanálise

Boa parte da produção psicanalítica tem estado contaminada pela escrita acadêmica e suas normas de publicação, o que torna a singularidade da comunicação textual obturada por inúmeras regras de formatação previamente estabelecidas. A dimensão estética da escrita é relegada a segundo plano ou, até mesmo, desconsiderada. A Série Escrita Psicanalítica, da editora Artes & Ecos, caminha em direção contrária: aposta na genuína comunicação dos autores convidados, vibra na riqueza do encontro e acredita na artesania das palavras como condutora de novas experiências. O caráter artístico da escrita promove o contato entre a obra e o leitor para além de uma percepção consciente: dialoga diretamente com o que há de mais íntimo.

Os primeiros volumes da série são ensaios inéditos de Júlio Conte e Jefferson Krug, acompanhados de uma compilação de textos de Sándor Ferenczi. A seleção dos escritos e a tradução de Ferenczi é de Lucas Krüger, Eduardo Spieler e Felipe Gerchman, com consulta direta aos textos em alemão. Está prevista a publicação de três novos volumes desta série por ano.

Sobre os autores
Sándor Ferenczi (Miskolc, 16 de julho de 1873 — Budapeste, 22 de maio de 1933) foi um psicanalista húngaro, um dos mais íntimos colaboradores de Freud. O título escolhido para a publicação, Sonhos, melodias e sintomas, foi composto a partir de palavras-chave. A palavra “melodia’” se refere ao texto publicado postumamente, que além de belo, propõe aos psicanalistas estudarem formas de associação livre para além da palavra. “Melodia” também faz com que haja um acento na faceta estética da escrita, remete-se à forma. A palavra “sonho” também pode ser lida nesse contexto, mas abre-se para diversas direções, dentre elas, os próprios relatos de sonhos presentes nos textos. Enquanto que não poderia faltar a palavra “sintoma”, seja porque, de fato, muitos textos aludem a esses em situações clínicas ou até mesmo cotidianas, e porque a palavra ‘’sintoma’’ em psicanálise faz parte dos espectros neuróticos.

Jefferson Krug tem sua formação psicanalítica vinculada à Sigmund Freud Associação Psicanalítica. Graduado em Psicologia e mestre em Psicologia Clínica pela PUCRS, é doutor em Psicologia pela UFRGS. Trabalhou como coordenador e professor do Curso de Psicologia da FACCAT (2005-2013), professor do Curso de Psicologia da URI/Santiago (2006-2008) e de diversos cursos de Especialização. Atualmente, realiza atividades de psicanálise e avaliação psicológica em consultório particular. Na área acadêmica, é professor do Curso de Psicologia da PUCRS desde 2012, onde leciona disciplinas relacionadas à Teoria e Clínica Psicanalítica

Júlio Conte é psicanalista, médico, diretor de teatro, dramaturgo, ator e escritor. Graduado em Medicina e em Direção Teatral na UFRGS. Membro pleno do Centro de Estudos Psicanalíticos de Porto Alegre e membro fundador do Instituto W.R. Bion, Porto Alegre. Transita de forma atuante entre a psicanálise e o teatro. É um dos dramaturgos mais representativos do Rio Grande do Sul. Seu espetáculo “Bailei na Curva”, em cartaz há 35 anos, conquistou reconhecimento nacional.

Sonhos, melodias e sintomas
Sándor Ferenczi
60 pp.
14 cm X 21 cm
978-85-93459-15-3
R$ 35,00
Artes & Ecos

Brincando com a psicanálise e os personagens infantis
Jefferson Krug
60 pp.
14 cm X 21 cm
978-85-93459-16-0
R$ 35,00
Artes & Ecos

Beckett/Bion: a criação do futuro
Júlio Conte
60 pp.
14 cm X 21 cm
978-85-93459-14-6
R$ 35,00
Artes & Ecos

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s