Poemas de afeto e ancestralidade com Duan Kissonde

Edição: Vitor Diel
Arte: Giovani Urio

Água de meninos é o livro de estreia do poeta porto-alegrense Duan Kissonde. O título faz referência à região de mesmo nome na cidade de Salvador, Bahia. Água de Meninos foi palco dos combates de 25 de janeiro de 1835, data conhecida como Revolta ou Levante dos Malês, a maior insurreição urbana de escravizados das Américas.

A morte de sua avó, também poeta, em 2014, foi o marco central para a construção do livro. Duan procura uma reescrita da história com H maiúsculo, resgata sua memória afetiva e constrói uma espécie de árvore genealógica poética. 

A obra é dividida em duas partes. A primeira, “Pemba”, reúne poemas escritos entre 2014 e 2016. A segunda, “Cupópias”, apresenta a produção mais recente do poeta, escrita de 2016 a 2018. Duan Kissonde trança seus poemas com o imaginário Bantu e Nagô e resgata a herança dessas culturas no palavreado brasileiro. Pemba é um pó ritualístico utilizado nos rituais de matriz africana e também significa giz. Cupópia é um dialeto de origem Bantu falado no quilombo do Cafundó, no interior de São Paulo. O resultado desta publicação é um livro que nos permite mergulhar com profundidade na mitologia pessoal do poeta, mas que também nos faz revisitar a nossa própria história.

A obra será lançada no dia 12 de julho, domingo, a partir das 16h, na página da Livraria Taverna no Facebook. Na ocasião, o autor recebe os convidados Michel Yakini e Ronald Augusto para um bate-papo sobre sua produção poética.

Sobre o autor
Duan Kissonde nasceu em Porto Alegre, em 1993. É poeta, graduando em História pela UFRGS, bolsista CNPq e pesquisador das territorialidades negras em Porto Alegre. Publicou seus poemas em diversas revistas brasileiras e participou das antologias Pretessência (2016), Antologia Literária Jovem Afro (2017), Cadernos Negros vol. 41 (2018) e Coletânea Ancestralidades (2019).

Sobre os convidados
Michel Yakini é escritor, produtor cultural e arte-educador. Autor de Acorde um Verso, Crônicas de um Peladeiro e do romance Amanhã quero ser Vento (indicado pelo Suplemento Pernambuco como um dos melhores lançamentos literários de 2018); também participou de diversas antologias, das quais O que resta das coisas, em homenagem a Caio Fernando de Abreu, finalista do Prêmio AGES – Associação Gaúcha de Escritores, em 2019.

Autor do prefácio de Água de meninos, Ronald Augusto é poeta, músico e ensaísta. Licenciado em Filosofia pela UFRGS (2018). É autor de, entre outros, Homem ao Rubro (1983), Puya (1987), Kânhamo (1987), Vá de Valha (1992), Confissões Aplicadas (2004), No Assoalho Duro (2007), Cair de Costas (2012), Oliveira Silveira: poesia reunida (2012), e Decupagens Assim (2012). Despacha no blog www.poesia-pau.blogspot.com e é colunista do site Sul21.

Água de meninos
Duan Kissonde
Poesia
R$ 35
Editora Taverna

Apoie Literatura RS

Ao apoiar mensalmente Literatura RS, você tem acesso a recompensas exclusivas e contribui com a cadeia produtiva do livro no Rio Grande do Sul.

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s