Benjamin Balint e Ambrose Bierce entram no catálogo da Arquipélago

Edição: Vitor Diel sobre texto da assessoria
Arte: Giovani Urio

Quando Kafka faleceu, em 1924, aos 40 anos, ele deixou ao seu amigo mais próximo a orientação de destruir todos os seus textos. Se hoje temos acesso a dezenas de documentos literários daquele que foi um dos maiores escritores de todos os tempos, é justamente porque Max Brod desconsiderou seu último desejo e dedicou a vida a publicar os romances inéditos do amigo. A história ganhou ainda novas nuances nos anos que se seguiram. Em 1968, Max Brod morreu, em Tel Aviv, e destinou seu espólio à sua secretária Esther Hoffe. Quando faleceu, em 2007, ela deixou o material para suas filhas, Ruth Weisler e Eva Hoffe.

Assim começou o inusitado litígio narrado em O último processo de Kafka. De um lado, a Biblioteca Nacional de Israel entendia Kafka como um escritor judeu, e por isso reivindicava os direitos sobre seu legado. O Arquivo Literário alemão de Marbach, por sua vez, argumentava se tratar de um escritor de língua alemã. Já Eva Hoffe, na terceira ponta da disputa, via os documentos como uma herança de família deixada à sua mãe por Brod, que ela considerava como um segundo pai.

Este é o caso que Benjamin Balint narra em O último processo de kafka, livro que chega ao Brasil pela Arquipélago Editorial. A obra foi elencada entre os Livros do Ano pela The Economist em 2019 e reconhecida com o Prêmio Sami Rohr em 2020.

Outro livro que passa a integrar o catálogo da casa editorial porto-alegrense é A estrada enluarada e outras histórias, que reúne 21 contos de Ambrose Bierce – seis dos quais têm agora sua primeira publicação no Brasil. Influenciado por experiências macabras de sua própria vida e pela obra de Edgar Allan Poe, Ambrose Bierce publicou dezenas de contos de sátira, terror e guerra ao longo da vida, além de sua obra mais conhecida, Dicionário do Diabo, que traz verbetes junto a definições carregadas do tom satírico do autor. Por ter crescido em uma família pobre, Bierce constituiu sua formação de maneira informal, lendo os livros que seu pai, apaixonado por poesia, tinha em casa. Aos 18 anos, alistou-se como voluntário e lutou na Guerra Civil dos Estados Unidos durante quatro anos. A experiência acentuou a personalidade crítica e pessimista do escritor e deixou fortes marcas em sua obra. Seus contos de guerra são até hoje importantes referências na literatura dos Estados Unidos.

Ambos os livros têm tradução de Rodrigo Breunig.

O último processo de Kafka
Benjamin Balint
272 p.
R$ 64,90
Arquipélago Editorial
Compre aqui (link externo)

A estrada enluarada e outras histórias
Ambrose Bierce
224 p.
R$ 49,90
Arquipélago Editorial
Compre aqui (link externo)

Apoie Literatura RS

Ao apoiar mensalmente Literatura RS, você tem acesso a recompensas exclusivas e contribui com a cadeia produtiva do livro no Rio Grande do Sul.

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s