Poemas de infinitas vivências femininas

Texto e edição: Vitor Diel
Arte: Giovani Urio sobre divulgação

Lançado originalmente em 2018, “não nos ensinaram a amar ser mulher” reúne 34 poemas dedicados principalmente às vivências femininas. Como retratos organizados de forma a compor um mosaico, a obra busca expandir o significado do que é ser mulher, provocar reflexões e construir uma experiência de leitura que é também, e sobretudo, uma experiência de partilha. “Acredito que se dissermos que existe uma forma de ser mulher, ou de se conectar com o feminino, ou ainda, de se amar ser mulher, é ir contra a natureza livre do próprio feminino que a todo tempo se renova, se reinventa, se redescobre”, explica a autora, que completa: “Neste livro, reúno vivências minhas e de mulheres as quais as experiências de vida me atravessaram provocando profundas reflexões que acabaram por verter em metáforas”.

Finalista do Prêmio AGES e do Prêmio Academia Rio-Grandense de Letras em 2018, “não nos ensinaram a amar ser mulher” é o terceiro livro da autora. Aqui, Michelle revela-se uma autora corajosa ao convocar à coletividade de mulheres — um gesto que fica explícito em poemas como “Gênesis ou rituais de nascimento”:

“(…) acordem Mulheres / despertem todas / sintam como é bom ser / o que somos / retomem a sabedoria do sentir / consagrem a si o seu poder / mergulhemos no mar dos despertos / acolhimento consigo / acolhimento com a ignorância do outro / aceitar nunca / fazer diferente / ser diferente / livre para ser / renascer diferente / livre / livre / nascer / Mulher”.

Sobre a transmutação do sentimento em voz poética, a autora diz: “As poesias desse livro nasceram a partir de vivências, muitas das quais traçadas por experiências dolorosas: o preconceito, o machismo, as humilhações, o medo de ser quem se é. Escrevo para que possamos encontrar nessa vida possibilidades de mudanças conscientes, para reaprendermos a (se) amar, para que o sensível tenha também espaço nesses nossos dias tão agitados, tecnológicos e concretos”, reflete.

não nos ensinaram a amar ser mulher está disponível em livrarias e no site da Editora Bestiário (link externo).

Sobre a autora
Michelle C. Buss é autora dos livros Sal, topázio e mercúrio (Patuá, 2015), Mosaicos (Patuá, 2014) e não nos ensinaram a amar ser mulher (Bestiário, 2018), pelo qual foi finalista do Prêmio da Academia Rio-Grandense de Letras, categoria poesia, e finalista do Prêmio AGES Livro do Ano. Em 2021, lança (um parêntesis sobre distâncias), via financiamento coletivo. Nasceu em Jaguari, no Rio Grande do Sul, e mora em Porto Alegre desde 2007. É graduada em Comunicação Social pela PUCRS, bacharel em Letras pela UFRGS e mestra em Estudos de Literatura pela UFRGS, na área de Pós-Colonialismo e Identidades, onde pesquisou o Ocultismo na obra de Fernando Pessoa. É também co-criadora do projeto literário no Instagram Poesia pelo mundo (@poesiapelomundo) e, ao lado do poeta Leo Cruz, é curadora do Sarau Poetaria e da live Bate-papo Poético.

não nos ensinaram a amar ser mulher
Michelle C. Buss
88 p.
Editora Bestiário
R$ 38
Compre aqui (link externo)

Apoie Literatura RS

Ao apoiar mensalmente Literatura RS, você tem acesso a recompensas exclusivas e contribui com a cadeia produtiva do livro no Rio Grande do Sul.

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s