Obra póstuma de Aldyr Garcia Schlee decifra a cultura do Pampa

Foto: Gilberto Perin

Falecido em 2018, o escritor, jornalista e tradutor Aldyr Garcia Schlee tornou-se conhecido por sua vasta obra relacionada à literatura uruguaia e gaúcha, à identidade cultural e às relações fronteiriças. E o lançamento póstumo do box com os dois volumes de “Dicionário da Cultura Pampeana Sul-Rio-Grandense” chega para enriquecer ainda mais essa qualidade. A obra ganha um evento especial na quarta-feira, dia 20 de março, às 10h, no Salão Negrinho do Pastoreio do Palácio Piratini (Praça Mal. Deodoro, s/n – Centro Histórico, Porto Alegre/RS).

Por mais de dois séculos desenvolveu-se, no extremo sul do Brasil, mais precisamente na metade sul do Rio Grande do Sul, uma forma muito singular e característica de cultura: a cultura pampeana — própria do Pampa, região de pastagens da América do Sul que ocupa a planície costeira e interiorana do Rio da Prata (e de seus formadores Paraná e Uruguai), desde a província de Buenos Aires até a parte meridional do Rio Grande do Sul, incluindo toda a República Oriental do Uruguai.

Ali, no universo pampeano, constituiu-se o mundo do gaúcho: uma sociedade pastoril patriarcal e autoritária, com traços culturais diferenciados e bem definidos, baseada numa economia arcaica, vinculada geralmente à exploração do latifúndio e baseada particularmente na criação extensiva de gado.

Esse universo foi delimitado por linhas divisórias, que separaram impérios e separam países; mas que, mesmo assim, não puderam impedir o surgimento de uma cultura comum e de um modo particular de interpretação da realidade pampeana, a partir do espanhol ou do português, através de importante recriação linguística e rica diversificação léxica.

O autor em em seu sítio. Foto: Luiz Carlos Vaz

Em 2001, o escritor e tradutor bilíngue Aldyr Garcia Schlee iniciou uma pesquisa minuciosa. Toda a sua atividade como ensaísta e ficcionista, tanto em português quanto em espanhol, está centrada no território literário da fronteira brasileiro-uruguaia. Sua atividade como tradutor levou-o a verter, tanto do espanhol para o português como do português para o espanhol, obras fundamentais da literatura gaúcha — platina e sul-rio-grandense — de autores como Domingo Faustino Sarmiento, Eduardo Acevedo Díaz, Javier de Viana, Ricardo Güiraldes, Francisco Espínola, João Simões Lopes Neto e Cyro Martins.

Ao lidar com a linguagem literária desses escritores, pôde perceber a importância e o significado de sua contribuição para um conhecimento mais preciso e mais amplo da cultura pampeana e da fala característica do homem do pampa – contribuição que, contudo, não foi nem tem sido anotada adequada e suficientemente nos dicionários e vocabulários de regionalismos existentes em língua portuguesa.

A linguagem literária gaúcha, nascida da espontaneidade da fala popular, reelaborada e desenvolvida em quase dois séculos por expoentes da literatura pampeana — tanto em português quanto em espanhol — foi o substrato da pesquisa que resulta neste “Dicionário da Cultura Pampeana Sul-Rio-Grandense”.

Originando-se da linguagem empregada pelos escritores — que, ao seu tempo (de 1811 a 1994), foram importantes intérpretes da realidade pampeana no Brasil, no Uruguai e na Argentina — este dicionário faz a abonação e o registro das expressões por eles utilizadas na tradução do mundo peculiar de vida do gaúcho do pampa sul-rio-grandense, bem como das circunstâncias particulares desse modo de vida, dos correspondentes traços culturais e da fala popular.

Em dois volumes, o “Dicionário” faz um registro aprofundado e atualizado não só da fala do homem do pampa sul-rio-grandense como das mais variadas formas pelas quais se manifesta a cultura pampeana.

SOBRE O AUTOR
Aldyr Garcia Schlee (Jaguarão, 22 de novembro de 1934 – Pelotas, 15 de novembro de 2018) era escritor, jornalista, tradutor, desenhista e professor. Doutor em Ciências Humanas, Schlee publicou mais de 15 livros, entre contos, ensaios e romances e sua obra integra mais de seis antologias. Criou o uniforme verde e amarelo da seleção brasileira de futebol, mais conhecido como Camisa Canarinho. Escritor premiado nacionalmente, tinha larga experiência de pesquisa e produção literárias na área de Letras, com ênfase em literatura gaúcha. Foi vencedor duas vezes do prêmio da Bienal de Literatura Brasileira, cinco vezes do Prêmio Açorianos de Literatura, além do Prêmio Esso de Jornalismo e do Prêmio Fato Literário.

Dicionário da Cultura Pampeana Sul-Rio-Grandense – vols. 1 e 2
Aldyr Garcia Schlee
Fructos do Paiz/Braskem/Pró-Cultura RS


Informações da assessoria

Anúncios
Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s