Lélia Almeida e o percurso de uma estrada interior

Já está em pré-venda o novo livro de Lélia Almeida, numa estrada sem fim que carrego aqui dentro, que será lançado em Porto Alegre no sábado, dia 29 de junho, no Terezas Café (Rua Giordano Bruno, 318 – Bairro Rio Branco – Porto Alegre/RS). São cem textos, distribuídos em quatro partes: na voz sumida desses relatosa carta da lua soberanauma rainha olhando os seus tesourosdentro de mim são tempos de romãs e os milagres são sempre pequenos. Nono volume da Série Lilliput da Editora Casa Verde, dedicada às formas breves, numa estrada sem fim que carrego aqui dentro reúne minicontos, crônicas, pequenos ensaios. A autora autografa o livro das 16h às 20h30min. A obra pode ser adquirida antecipadamente pelo email casaverde@casaverde.art.br.

Confira alguns trechos abaixo.

“Encontrei com uma freira na farmácia, que foi atendida antes de mim. Fiquei observando aquela pequena mulher de gestos comedidos e voz suave enquanto ela pedia por um remédio. E invejei sua paixão absoluta, sua entrega total, uma intensidade que jamais experimentarei.”

———–

“Uma senhora que conheci na fila para fazer o passaporte me confidenciou que ficou muitos anos deprimida, saiu do buraco e hoje está bem:

— Se você tiver um câncer, todo mundo vai cuidar e acolher você. Se ficar deprimida, prepare-se para o mais cruel abandono e desconfiança da parte de todo mundo. Este é um mundo sem lugar para a tristeza.

Abracei firmemente a minha mais nova amiga.”

———–

“Enquanto a polícia fareja a ossada e o que restou do corpo de mais uma mulher abatida como um bicho neste país, ocorre, brilhantemente,a um alto funcionário do Flamengo dizer: perdemos um grande goleiro.”

Sobre a autora
Lélia Almeida é escritora, mestre em Literatura Brasileira, coordenadora do Grupo de Pesquisa Permanente de Literatura de Mulheres (Porto Alegre e Brasília), autora de AntoniaSenhora Sant’AnaAs mulheres de Bangkok, 50 ml de Cabochard, A sombra e a chama: (uma interpretação da personagem feminina n’O tempo e o vento, de Erico Verissimo)Querido ArthurAs gregas do Mangue, As meninas más na literatura de autoria femininaO amante alemão e Este outro mundo que esquecemos todos os dias. Participou das antologias O livro das mulheres, de Charles Kiefer; Nós, os gaúchos, de Luís Augusto Fischer e Sergius Gonzaga; O tempo e o vento — 50 anos, organizado por Robson Pereira Goncalves. Publicou alguns poemas no Pequeno inventário poético da Fronteira Oeste, organizado por Vera Ione Molina; e crônicas na antologia Nem te conto, organizada por Romar Beling e Rudinei Kopp. Com o romance O amante alemão, venceu o Prêmio Açorianos de Literatura em Porto Alegre, 2013.

numa estrada sem fim que carrego aqui dentro
Lélia Almeida
128 pp.
12cm X 18cm
978-85-99063-38-5
R$ 38
Casa Verde

Da assessoria

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s