A perenidade da poesia imperial japonesa

Edição: Vitor Diel com texto da assessoria
Arte: Giovani Urio sobre reprodução

O livro Poemas do Japão Antigo contém uma seleção de 165 poemas do Kokin’wakashû (“Coleção de poemas antigos e contemporâneos”), a primeira antologia poética japonesa realizada por ordem imperial. O Kokin’wakashû, também conhecido pelo seu nome abreviado, Kokinshû, estabeleceu o modelo a ser seguido nos mais diversos níveis: a forma poética, as situações em que se fazia poesia e mesmo quais elementos da natureza tinham mais força simbólica do que outros no momento de se escrever literatura.

O Prefácio em hiragana desta antologia, de autoria do grande poeta e editor Ki no Tsurayuki, e cuja tradução está incluída neste volume, é visto por muitos como um equivalente japonês da Poética de Aristóteles. Em que pesem as grandes diferenças de tempo, concepção de mundo, cultura, contexto e intenção, a literatura japonesa é uma das únicas no mundo a possuir uma “poética fundacional por escrito” (outros exemplos seriam as civilizações chinesa, grega e latina) — um texto de intenção estético-didática que lista as condições, categorias e mecanismos necessários para se escrever poesia.

Vamos encontrar o alcance e a presença dessa cristalização estética nos mais diversos campos: desde o haicai de Bashô, que surgiu de uma reorganização desse universo poético e está impregnado de “coisas do Kokin’wakashû”; passando pela pintura; pela codificação do amor cortês; pelos padrões de beleza; pela estilização do erótico e de outras tecnologias de gênero; pela história das sensibilidades; pela decoração, moda, arquitetura, artes aplicadas, gastronomia, teatro, e muitas outras áreas.

Sobre o autor
Andrei Cunha nasceu em 1973 em Pelotas (RS), filho de um casal de professores de literatura. Morou sete anos em Tóquio, onde fez graduação em Direito e mestrado em Relações Internacionais na Universidade de Hitotsubashi. De volta ao Brasil, defendeu tese de Doutorado em Literatura Comparada na UFRGS sobre a obra de Sei Shônagon. Tem traduções publicadas de Ogawa Yôko, Nagai Kafû, Inoue Yasushi, Tawada Yôkoe Tanizaki Jun’ichirô e atua como professor de Língua, Cultura e Literatura Japonesa na UFRGS desde 2010. Em 2019, lançou uma edição comentada de Cem poemas de cem poetas (Ogura hyakuninisshu) pela Bestiário/Class.

Poemas do Japão Antigo, seleções do Kokin’wakashû
Andrei Cunha
214 p.
14 x 21 cm
978-65-991129-3-5
R$ 40
Bestiário/Class

Apoie Literatura RS

Ao apoiar mensalmente Literatura RS, você tem acesso a recompensas exclusivas e contribui com a cadeia produtiva do livro no Rio Grande do Sul.

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s