Crônicas de uma escuta atenta

‘A consulente sou eu’ reúne textos escritos a partir das experiências de Lélia Almeida com o Tarot

Edição: Vitor Diel
Arte: Giovani Urio sobre reprodução

Vencedora de um prêmio Açorianos de Literatura e autora de mais de 15 títulos, Lélia Almeida lança sua mais nova obra no dia 30 de novembro, terça-feira, às 19h, no Café Fon Fon (R. Vieira de Castro, 22 – Farroupilha, Porto Alegre – RS). A consulente sou eu reúne crônicas escritas a partir das suas experiências de escuta com o Tarot. “As crônicas são sobre mulheres, sobre a vida das mulheres comuns e anônimas. Eu abro o Tarot tem mais de 40 anos, e ouvi histórias maravilhosas neste contato com as consulentes. As histórias são ficcionalizadas, mas partem de relatos muito mais ricos”, explica a autora.

“A delicadeza com que Lélia escuta e conta aventuras e desventuras da mínima vida que se aproxima cansada, exausta do ferro e fogo que nos tornamos, é uma delicadeza há muito esquecida, renegada nesse mundo apocalíptico, mergulhado na mecânica sensatez que se amedronta e foge na presença de afeições tão simples e próximas como as que sempre ocorrem entre mães e pais, mulheres e homens, filhas e filhos desta terra. São textos para ouvir e ver a antiga e fundamental proximidade que se desvanece, quase totalmente sumida dos nossos pequenos dias”, escreve Clovis Peres na apresentação.

Confira abaixo um trecho da crônica O que seria de mim sem as consulentes:

“Um dia eu disse a uma moça que, muito assustada, estava reconstruindo sua existência destroçada. Eu disse que aquele era o momento em que os destroços de um navio naufragado chegavam erráticos à beira do mar, e que agora era o tempo de esperar a água drenar na areia da praia para que ela pudesse sentir a firmeza da terra e voltar a caminhar firme rumo ao seu destino. Não há como as cartas contarem esta história. A Estrela, o Mundo, o Anjo da Temperança são orientações do que pode vir a ser construído sobre tudo o que se perdeu. Neste dia compreendi que o momento de escuta é um jogo criativo e poético entre quatro mãos, dois corações e a história de muitas consciências, descobertas espirituais e um vasto território onírico onde este outro lado das coisas, as anímicas e simbólicas, afloram e se manifestam misteriosamente.”

Sobre a autora
Lélia Almeida é escritora, mestre em Literatura Brasileira, coordenadora do Grupo de Pesquisa Permanente de Literatura de Mulheres (Porto Alegre e Brasília), autora de Antonia, Senhora Sant’Ana, As mulheres de Bangkok, 50 ml de Cabochard, A sombra e a chama: (uma interpretação da personagem feminina n’O tempo e o vento, de Erico Verissimo), Querido Arthur, As gregas do Mangue, As meninas más na literatura de autoria feminina, O amante alemão, Este outro mundo que esquecemos todos os dias e numa estrada sem fim que carrego aqui dentro. Participou das antologias O livro das mulheres, de Charles Kiefer; Nós, os gaúchos, de Luís Augusto Fischer e Sergius Gonzaga; O tempo e o vento — 50 anos, organizado por Robson Pereira Goncalves. Publicou alguns poemas no Pequeno inventário poético da Fronteira Oeste, organizado por Vera Ione Molina; e crônicas na antologia Nem te conto, organizada por Romar Beling e Rudinei Kopp. Com o romance O amante alemão, venceu o Prêmio Açorianos de Literatura em Porto Alegre, 2013.

A consulente sou eu
Lélia Almeida
184 p.
R$ 51
Confraria do Vento
Comprar aqui (link externo)

Apoie Literatura RS

Ao apoiar mensalmente Literatura RS, você tem acesso a recompensas exclusivas e contribui com a cadeia produtiva do livro no Rio Grande do Sul.

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s