Carolina Panta: Ecoam vozes. Propagam ecos: uma leitura sobre Vozes de Retratos Íntimos, de Taiasmin Ohnmacht

Edição: Vitor Diel
Arte: Giovani Urio sobre fotos de acervo pessoal

“Não há como não pensar nas histórias de travessia de mares e continentes em direção ao território brasileiro

Eu poderia dizer “esse é um romance que merece ser lido”. Ou apenas ser Taiasmin uma habilidosa tecelã de narrativas entramadas em passado/presente. Poderia, de fato, apontar a dupla dimensão da obra feita a partir de vivências da narradora e de escrituras visão- mundo expostas aos olhos da escritora. “Escrevivências”, chamaria Conceição Evaristo se evocada fosse.

Ohn.macht Sf, 1 impotência, fraqueza, debilidade. 2. desmaio. In Ohnmacht fallen desmaiar.

Talvez o significado da palavra em idioma estrangeiro marque as trilhas de dor percorridas por nossa narradora-escritora ao longo das pouco mais de cento e cinquenta páginas do romance. Taiasmin, uma mulher negra portadora de um nome que, aos olhos do leitor, demorou muito tempo a reconhecer como seu. Prefiro destacar, contudo, cada personagem desse álbum familiar presente no universo literário imbricado em sobrenomes e origens. Cada sujeito impresso em algumas páginas poderia ter para si um romance todo seu. Um de capa com seu nome impresso e tudo mais. Tal qual o alemão bravo, origem do sobrenome Ohnmacht. Um alemão na verdade suíço, um sem pátria chegado na imigração após fuga por crime violento contra a própria irmã. Um suíço chamado de alemão pelo povo local, caminhante do mundo trazendo rastro de sangue e dor de outras terras.

O verdadeiro nome de Adebumi não era Zefa. A mulher escravizada, cozinheira de um senhor, sabedoura de toda a dor de violência sexual e de castigo com sangue vindo da casa-grande busca apenas proteger sua neta, Maria da Graça. E se para isso precisar rezar algumas ave marias, o fará de mãos ao peito e olhos em lágrimas. Então, que batizem a filha de sua filha, fruto de estupro e dor, com nome de santa branca. Quem sabe assim a pequena poderá ser protegida pelo padreco que não sai da cozinha em busca de futricos sobre os senhores Motta.

Uma índia sem nome. Uma mulher possuída e tomada como escrava. Um ventre sem chão. Uma morte no parto a não comover ninguém. Então, de uma mulher semente, nasce outra planta desprezada. Uma criança abandonada em um orfanato pelo próprio pai, inútil por carregar em si o peso de não ser macho. E raízes se emaranham no chão aos pés de Taiasmin.

Ecoam vozes. Propagam ecos.
O corpo branco. O corpo negro. O corpo indígena.
Reconhecer-se em outros braços e amamentar-se em peitos desconhecidos foi tarefa árdua da narradora-escritora em sua caminhada para expor as relações étnico-raciais de gritos e silêncios paridas em um Brasil afogado no racismo estrutural definidor de nossa sociedade. Para o leitor, é impensável ler Ohnmacht sem resgatar origens de próprios antepassados perdidas em algum álbum comido pelo tempo. Não há como não pensar nas histórias de travessia de mares e continentes em direção ao território brasileiro. Impossível é não refletir sobre o sangue manancial indígena escorrido pela dominação de quem tudo queria para si.

Eu poderia dizer ser Vozes de Retratos Íntimos um romance merecedor de toda e qualquer leitura simplesmente por sua temática. Acrescento, contudo, a beleza das descrições de Taiasmin, as palavras tecidas em ouro. Uma escritora de inteligência narrativa ímpar, uma habilidosa contadora de histórias sobre a dor e o prazer de se constituir como uma mulher negra brasileira.

*Carolina Panta nasceu em Porto Alegre e é professora de Língua Portuguesa e Literatura formada em Letras pela UFRGS. Editora da revista literária La Loba, é ativista em busca de uma cultura feminista. Tem na mulher seu tema principal de escrita, como em seu primeiro romance, ‘Dois Nós’. ‘Olivetti Lettera 32’ é seu segundo mergulho às profundezas da dor e do prazer de ser mulher. O romance foi publicado pela Editora Zouk em 2021.

Vozes de Retratos Íntimos
Taiasmin Ohnmacht
160 p.
R$ 49,90
Editora Taverna
Compre aqui (link externo)

Apoie Literatura RS

Ao apoiar mensalmente Literatura RS, você tem acesso a recompensas exclusivas e contribui com a cadeia produtiva do livro no Rio Grande do Sul.

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s