A história dos molhes de Rio Grande

Klécio Santos retrata em livro a construção de uma das maiores obras da engenharia marítima no estado

Edição: Vitor Diel sobre texto da assessoria
Arte: Giovani Urio sobre reproduç
ão

Esgotado, Sonhos de Pedra (Stone Dreams), livro que conta a saga de uma das maiores obras da engenharia marítima, ganha uma segunda edição, com nova capa. Ao longo de 240 páginas, o jornalista Klécio Santos retrata em minúcias a epopeia que foi a construção dos molhes em Rio Grande, que começou a ganhar impulso em 1883 com a chegada do engenheiro Honório Bicalho e só concluída cerca de três décadas depois.

No dia 1º de março de 1915, o navio-escola Benjamin Constant cruzou a Barra em direção ao novo porto de Rio Grande. Era o fim de uma longa jornada que culminou em um prodígio da engenharia, um sonho em forma de dois braços de pedra, erguido com o suor humano, num dos locais mais inóspitos do Brasil.

Guindaste utilizado no deslocamento das pedras. Foto: Reprodução

Uma nova etapa de progresso surgia com a conclusão dos molhes e ampliação do porto de Rio Grande. Desde os primórdios, foi por ali que circulou a maior parte da riqueza produzida no Rio Grande do Sul. A maior praia do mundo, o Cassino, ganhou também um cartão-postal, um atrativo à parte. Da região de Capão do Leão e Monte Bonito, em Pelotas, saíram as pedras da construção, um inferno a céu aberto, que ganha um capítulo à parte no livro.

Sonhos de Pedra (Stone Dreams) levou três anos de pesquisas e é rico em iconografia, com mapas, cartões-postais e documentos raros, além de relatos de viajantes. A edição é bilíngue (português/inglês), com tradução de Adriano Migliavacca, com selo da Cabrion – criado em homenagem à antiga folha ilustrada que mesclava literatura e sátira social no século 19. Klécio Santos também narra episódios históricos como o dia em que Rio Grande amanheceu sob a mira de canhões durante a Revolta da Armada, o trágico naufrágio do navio Rio Apa, as visitas imperiais e a chegada de José da Silva Paes em 19 de fevereiro de 1737, quando o brigadeiro enfim penetrou no canal da Barra.

Confira abaixo a agenda de lançamentos da obra neste mês:

Dia 13 de dezembro, às 19h
Livraria Vanguarda (Partage Shopping Rio Grande, AV. Lucia Maria Balbela Chiesa, 2842 SL 113, 114, 115 – Parque Res. São Pedro, Rio Grande)

Dia 15 de dezembro, às 19h
Bibliotheca Pública Pelotense (Praça Cel. Pedro Osório, 103 – Centro, Pelotas)

Sobre o autor
Klécio Santos é jornalista com passagens por diversos veículos da imprensa. Em 2012, lançou o livro Sete de Abril, o Teatro do Imperador, pela editora Libretos. É autor também de O Reino das Sombras – Palcos, Salões e o Cinema em Pelotas, publicado no volume 2 do Almanaque do Bicentenário de Pelotas. Em 2014, lançou Mercado Central – Pelotas 1846-2014, pela editora Fructos do Paiz. Assinou o posfácio da primeira versão em livro de A Família Marimbondo, de João Simões Lopes Neto. Em 2017, foi patrono da 45ª Feira do Livro de Pelotas, período em que lançou Bibliotheca Pública Pelotense, pela Fructos do Paiz, obra que resgata a história dos 140 anos daquela instituição.

Sonhos de Pedra
Klécio Santos
240 p.
R$ 129
Compre aqui (link externo)

Apoie Literatura RS

Ao apoiar mensalmente Literatura RS, você tem acesso a recompensas exclusivas e contribui com a cadeia produtiva do livro no Rio Grande do Sul.

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s