Heranças da imigração

Terceiro romance de Tadiane Tronca dá continuidade ao contexto histórico e social das obras anteriores

Edição: Vitor Diel com texto da assessoria
Arte: Giovani Urio sobre reprodução

Numa pequena vila do sul do Brasil, entre 1900 e 1920, um imigrante se consolida como um bem-sucedido homem de negócios. Habitando a “casa do navio pintado”, símbolo de prosperidade e também de sua própria derrocada, o prestigiado e ambicioso italiano faz de tudo para concretizar seus planos. Suas atitudes geram conflitos que afetam a todos, resultando em mortes e surpreendentes reviravoltas. A trama se intensifica com a chegada de dois jovens portugueses, acentuando sentimentos de amor e ódio, com consequências imprevisíveis.

O convívio entre brasileiros natos e estrangeiros no auge do processo imigratório europeu para o Brasil e os aspectos do cotidiano são intercalados pelo tempo presente: que é também trazido à tona na narrativa quando, um século depois, o Arquivo Histórico da cidade adquire o acervo da família do poderoso italiano e um historiador, isolado em sua própria casa devido à pandemia, trabalha nos documentos, descobrindo segredos centenários e arrepiantes.

Esta é a sinopse de A Casa do Navio Pintado, terceiro romance de Tadiane Troncae que chega agora para os leitores em edição da Bestiário.

O novo título de Tadiane faz parte do projeto Ficção e Realidade – A memória num encontro de dois mundos, financiado pelo Pró-Cultura do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, com patrocínio da Alternativa Gravações Serigráficas Ltda. Embora tenha sido produzido em três anos, a ideia de de um terceiro romance que se relacionasse com Vapor Drina (1995) e Script (2010), suas obras anteriores, instiga a escritora há uma década.

“Os três romances contêm aspectos baseados na história de Caxias do Sul. Os reflexos do processo imigratório, as relações de poder na família, na política, na economia, a religiosidade, a ligação do contexto local com o panorama mundial, como os efeitos da Primeira e da Segunda Guerra, e as pandemias, estão presentes. Mas o interessante é que nas três obras a cultura é sempre um elemento de destaque; existe um forte entrelaçamento de algum personagem com as artes. E este tema é tão rico e envolvente, que uma história foi sucedendo a outra porque, na minha cabeça, o assunto não havia se esgotado. Por isso há uma espécie de continuidade em abordar tais assuntos, mas, obviamente, as histórias são independentes entre si”, conta a caxiense, que foi Secretária da Cultura da cidade de 1997 a 2004.

Sobre a autora
Natural de Caxias do Sul (RS), Tadiane Tronca foi premiada no Concurso Anual Literário de Caxias do Sul – Categoria Obra Literária, em 1994, e finalista do Prêmio Açorianos de Literatura na categoria Autor Revelação, em 1995, com a obra literária Vapor Drina. Em 2010, publicou o romance Script. Em 2015, em coautoria, lançou o livro O Segredo dos Baús, uma bem humorada história sobre as memórias da imigração na região, destinado ao público pré-adolescente. Foi Secretária Municipal da Cultura de Caxias do Sul de 1997 a 2004.

A Casa do Navio Pintado
Tadiane Tronca
486 p.
R$ 42
Compre aqui (link externo)

Apoie Literatura RS

Ao apoiar mensalmente Literatura RS, você tem acesso a recompensas exclusivas e contribui com a cadeia produtiva do livro no Rio Grande do Sul.

Literatura RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s